GORDA NÃO ME DESCE

Já reparou que gorda tem tudo braço curto? Ri. É, vizinho, repara, sério. Essa que acabou de passar, olha. O que sobra em gordura, falta em comprimento. Ri. Um negócio meio desproporcional, saca? Não me desce. Acho que é isso, essas mulher assim, de tanto comer, acaba deformada. Como pode, né, chegar nesse nível? Cê …

Continuar lendo GORDA NÃO ME DESCE

UM BOM COMEÇO

Até que enfim! Acabou. Eu não aguentava mais. Agora, vamos fazer tudo! Que não pudemos fazer antes, nós vamos. Ser livres, para ir, a todos os lugares, nós vamos. Ao parque, à praia, ao shopping, e vamos encontrar todos. Os amigos, os parentes, os distantes. Agora? Não! Faz tanto tempo que. Até me esqueci como. … Continuar lendo UM BOM COMEÇO

O CANTO DA JIBOIA

A um palmo da cama e dois do guarda-roupa, eu primeiro botei a planta. Uma verde, ordinária, dessas que se compra em supermercado. Sentei à sua frente – o corpo desordenado de quem não costuma operar no baixo plano da existência – e observei. Achei bonito. Era só. Os outros cantos da casa, não muitos, … Continuar lendo O CANTO DA JIBOIA

CENHO

(Segunda parte do conto “Umbigo”, publicado do dia 01.07.20. Clique aqui para lê-lo) Dias como esses, o perigo é tropeçar, entende? Silêncio. Com “dias” quero dizer os tempos, falar… E o tropeço, esse de que eu falo, é pra dentro. O perigo é esse, sim. De cair e não voltar pra. Fora. Sendo fora aquele … Continuar lendo CENHO

NAUFRÁGIO FÚLGIDO

Rosa e Joana dançam tango no 7° andar às segundas e quartas-feiras. Terça bebem cerveja na sala, quinta brigam pela louça, no final de semana riem e gozam, repetidas vezes.  Quem mora ao lado escuta, claro, com prazer, por vezes, curiosidade, por outras, incômodo, afinal também; seja por una cabeça ou mi Buenos Aires querido, … Continuar lendo NAUFRÁGIO FÚLGIDO

RAGING HUNTER

Entre 10h e 11h, mais ou menos, hora que o sol bate, ela aparece na varanda. Eventualmente leva o computador para trabalhar, ou apenas o caderninho de capa preta, fuma seu cigarro e observa. Por um lado, seria um bom momento, tendo em vista a exposição, por outro, neste mesmo horário, os vizinhos vão também … Continuar lendo RAGING HUNTER

UMBIGO

Eu sei de cor o número de mortos pelo vírus, mas não sei. A data de hoje, me dou conta. Os olhos checam o canto inferior direito da tela: dia vinte e cinco, o mês é julho. Não, junho. Mês seis. São onze e quinze e esta é. A segunda reunião do dia, é. Quinta-feira.  … Continuar lendo UMBIGO

20 DE MAIO DE 2020, 11h45

Sem as suas fotografias, Diana sentia um abandono invertebrado. Com elas, dizia aos seus netos entre sorrisos e um álbuns, apenas uma dor no fim do túnel. Aos netos porque desistira dos adultos, nunca fui um deles, na verdade, a minha vida não conhece tal degradação humana, de criança à velha eu passei num mergulho, … Continuar lendo 20 DE MAIO DE 2020, 11h45

ANA, A HUMANA

Perfeito, é, sim, aqui, sem dúvida é o lugar perfeito. Atrás da geladeira, ninguém alcança, é quentinho. E úmido, sempre quentinho e. Sujo. Perfeito. Talvez um lanchinho. Ainda hoje, lanchinho, depois. Embaixo da pia, a Ana sempre deixa, um restinho de comida, um restinho de comida e, apesar da nossa vida, da nossa vida ter … Continuar lendo ANA, A HUMANA