UM BOM COMEÇO

Até que enfim! Acabou. Eu não aguentava mais. Agora, vamos fazer tudo! Que não pudemos fazer antes, nós vamos. Ser livres, para ir, a todos os lugares, nós vamos. Ao parque, à praia, ao shopping, e vamos encontrar todos. Os amigos, os parentes, os distantes. Agora? Não! Faz tanto tempo que. Até me esqueci como. … Continuar lendo UM BOM COMEÇO

O CANTO DA JIBOIA

A um palmo da cama e dois do guarda-roupa, eu primeiro botei a planta. Uma verde, ordinária, dessas que se compra em supermercado. Sentei à sua frente – o corpo desordenado de quem não costuma operar no baixo plano da existência – e observei. Achei bonito. Era só. Os outros cantos da casa, não muitos, … Continuar lendo O CANTO DA JIBOIA

CENHO

(Segunda parte do conto “Umbigo”, publicado do dia 01.07.20. Clique aqui para lê-lo) Dias como esses, o perigo é tropeçar, entende? Silêncio. Com “dias” quero dizer os tempos, falar… E o tropeço, esse de que eu falo, é pra dentro. O perigo é esse, sim. De cair e não voltar pra. Fora. Sendo fora aquele … Continuar lendo CENHO

NAUFRÁGIO FÚLGIDO

Rosa e Joana dançam tango no 7° andar às segundas e quartas-feiras. Terça bebem cerveja na sala, quinta brigam pela louça, no final de semana riem e gozam, repetidas vezes.  Quem mora ao lado escuta, claro, com prazer, por vezes, curiosidade, por outras, incômodo, afinal também; seja por una cabeça ou mi Buenos Aires querido, … Continuar lendo NAUFRÁGIO FÚLGIDO

RAGING HUNTER

Entre 10h e 11h, mais ou menos, hora que o sol bate, ela aparece na varanda. Eventualmente leva o computador para trabalhar, ou apenas o caderninho de capa preta, fuma seu cigarro e observa. Por um lado, seria um bom momento, tendo em vista a exposição, por outro, neste mesmo horário, os vizinhos vão também … Continuar lendo RAGING HUNTER

UMBIGO

Eu sei de cor o número de mortos pelo vírus, mas não sei. A data de hoje, me dou conta. Os olhos checam o canto inferior direito da tela: dia vinte e cinco, o mês é julho. Não, junho. Mês seis. São onze e quinze e esta é. A segunda reunião do dia, é. Quinta-feira.  … Continuar lendo UMBIGO

20 DE MAIO DE 2020, 11h45

Sem as suas fotografias, Diana sentia um abandono invertebrado. Com elas, dizia aos seus netos entre sorrisos e um álbuns, apenas uma dor no fim do túnel. Aos netos porque desistira dos adultos, nunca fui um deles, na verdade, a minha vida não conhece tal degradação humana, de criança à velha eu passei num mergulho, … Continuar lendo 20 DE MAIO DE 2020, 11h45

ANA, A HUMANA

Perfeito, é, sim, aqui, sem dúvida é o lugar perfeito. Atrás da geladeira, ninguém alcança, é quentinho. E úmido, sempre quentinho e. Sujo. Perfeito. Talvez um lanchinho. Ainda hoje, lanchinho, depois. Embaixo da pia, a Ana sempre deixa, um restinho de comida, um restinho de comida e, apesar da nossa vida, da nossa vida ter … Continuar lendo ANA, A HUMANA